Bombeiros confirmam dez mortes na tragédia de Capitólio

Os dois últimos corpos da queda do paredão no Lago de Furnas, em Capitólio no sábado (8), foram encontrados na tarde deste domingo (9). A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros durante coletiva de imprensa.

Ao todo são 10 mortos. Duas vítimas já foram identificadas, mas só o nome de uma delas foi divulgado. Todas as pessoas estavam na lancha chamada “Jesus”. As equipes de buscas não trabalham mais com a possibilidade de desaparecidos.

O paredão atingiu mais três embarcações que estavam na área. Um vídeo mostra o momento em que as lanchas são atingidas (veja vídeo acima).

Tragédia em Capitólio: dez mortos foram encontrados e dois já foram identificados

Tragédia em Capitólio: dez mortos foram encontrados e dois já foram identificados

Segundo os bombeiros, partes de corpos foram encontrados e levadas para a Polícia Civil. As buscas continuam para encontrar outros fragmentos.

Pedra desliza sobre turistas em Capitólio — Foto: Reprodução

Pedra desliza sobre turistas em Capitólio — Foto: Reprodução

Trabalho de buscas e identificação

A Polícia Civil confirmou na manhã deste domingo a identidade de um dos mortos no acidente. Segundo o delegado regional da Polícia Civil de Passos, Marcos Pimenta, é Júlio Borges Antunes, de 68 anos.

Ele era de Alpinópolis (MG). O corpo já foi liberado para a família e deve ser enterrado ainda neste domingo (9) em São José da Barra (MG).

Em nova entrevista na tarde de domingo, as autoridades informaram que uma segunda pessoa foi identificada, mas, até 16h30, o nome não tinha sido divulgado.

LEIA MAIS:

Corpo de Bombeiros realiza buscas por desaparecidos em Capitólio

Corpo de Bombeiros realiza buscas por desaparecidos em Capitólio

Segundo balanço divulgado pelo Corpo de Bombeiros na manhã deste domingo, 50 militares estão empenhados na operação de busca, entre bombeiros militares e militares da Marinha do Brasil; 11 mergulhadores dos bombeiros empenhados, especialistas nesse tipo de operação e já familiarizados com a área de busca; 4 lanchas e 3 motos aquáticas da Marinha e dos bombeiros lançadas no local de busca já delimitado, além do apoio de 7 viaturas.

Major Rodrigo Castro fala sobre a retomada das buscas em Capitólio

Major Rodrigo Castro fala sobre a retomada das buscas em Capitólio

Veja o que se sabe até agora:

  • O deslizamento ocorreu por volta de 12h30. Ainda não se sabe o que causou o acidente
  • Quatro embarcações foram atingidas, segundo os bombeiros
  • Dez pessoas morreram. Ao menos 2 seguem internadas
  • Uma equipe de mergulhadores está no local e não há previsão de término das buscas (elas foram suspensas durante a noite e foram retomadas no domingo)
  • 27 pessoas foram atendidas e liberadas
  • A primeira informação dos bombeiros dava conta de 20 desaparecidos, mas o número foi atualizado para 3 logo depois
  • Bombeiros e Polícia Civil estão no local; a Marinha foi acionada e vai investigar a causa
  • Defesa Civil havia emitido um alerta sobre chuvas intensas na região com possibilidade de “cabeça d’água”; Marinha também investiga por que os passeios foram mantidos
Veja mais imagens do momento em que houve desmoronamento de rocha em Capitólio

Veja mais imagens do momento em que houve desmoronamento de rocha em Capitólio

Mortes

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou 10 mortes pelo deslizamento.

Já foram confirmados que entre as vítimas, há 4 mulheres e 4 homens; não foram divulgados os outros gêneros.

No sábado, o coronel dos bombeiros Edgard Estevo, disse primeiramente que a estimativa era que 20 pessoas estivessem desaparecidas. Entretanto, em entrevista para a EPTV, afiliada da Globo, o tenente Pedro Aihara afirmou queseriam quatro pessoas desaparecidas e que eles conseguiram contato com as outras vítimas. Pouco depois, o número foi atualizado para três desaparecidos.

Feridos no acidente

Segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, 32 pessoas foram atendidas por causa do acidente, a maioria com ferimentos leves.

Dessas, 27 foram atendidas e liberadas: 23 delas da Santa Casa de Capitólio e outras 4 da Santa Casa de São José da Barra, a 46 km de Capitólio.

  • 2 pessoas com fraturas expostas foram para a Santa Casa de Piumhi, a cerca de 23 km de Capitólio;
  • Um paciente internado na Santa Casa de Passos, a 74 km de Capitólio, é um jovem de 26 anos e morador de Pimenta (MG). Ele será deve ser operado nesta segunda-feira (10) e em seguida deve ter alta; a terceira pessoa que estava internada em Passos foi para um hospital particular e está estável.

Ninguém foi identificado até agora. Guarnições de Passos e Piumhi foram deslocadas para a região paraprestar atendimento às vítimas.

Feridos em acidente em Capitólio (MG) foram levados para cidades próximas; veja no infográfico — Foto: G1

Feridos em acidente em Capitólio (MG) foram levados para cidades próximas; veja no infográfico — Foto: G1

Lugar turístico

A região de Capitólio e outras cidades banhadas pelo Lago de Furnas, no Centro-Oeste de Minas, é bastante procurada por turistas por sua beleza natural.

Assim como outras partes do estado, a região tem sido atingida pelas chuvas recentes: na sexta-feira (7), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) havia emitido um alerta de chuvas intensas, que durariam até a manhã deste sábado.

Neste sábado (8), Defesa Civil de Minas Gerais havia feito um alerta sobre chuvas intensas e a possibilidade de ocorrências de “cabeça d’água’ em Capitólio, mas não há confirmação que essa foi a causa do acidente. A Marinha disse que investiga o motivo de os passeios serem mantidos.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas, Pedro Aihara, explicou que a formação rochosa do local é do tipo sedimentar, o que torna as estruturas dos paredões frágeis, e a quantidade de chuvas agravou a situação por acelerar a erosão. Veja a explicação sobre a situação do solo:

Forma como rocha caiu em Capitólio (MG) agravou situação, diz bombeiro

Forma como rocha caiu em Capitólio (MG) agravou situação, diz bombeiro

“A gente tem uma formação rochosa que é basicamente composta por rochas sedimentares, então são rochas que naturalmente têm uma resistência muito menor à atuação dos ventos, da água, dos elementos naturais que atuam sobre a região”, explicou Aihara.

“Uma outra situação que acabou infelizmente agravando foi porque a rocha cai numa trajetória perpendicular. Geralmente, quando a gente tem ruptura por tombamento, a rocha sai de uma forma mais fatiada, ela escorre por aquela estrutura e cai de uma forma ou diagonal ou então mesmo em pé. Nesse caso, como a gente teve esse tombamento perpendicular, e pelo tamanho da rocha, a gente acabou tendo essas pessoas diretamente afetadas”, explicou o bombeiro.

Para o especialista em gerenciamento de risco, Gustavo Cunha Melo, uma tromba d’água – inicialmente citada pelos bombeiros como motivo do deslizamento – pode ter agido como um gatilho para o deslizamento, mas não foi necessariamente a causa do problema.

Para Melo, a rocha se desprenderia de qualquer jeito, por causa da erosão:

“Essa rocha já estava com muita erosão, totalmente fragmentada, ela iria desabar em algum momento. A tromba d’água pode explicar o desabamento neste momento? Pode, assim como também não precisava nada – ela ia desabar em algum momento por erosão, por um processo natural”, afirmou.

Nestes casos, segundo o especialista, o gerenciamento de risco consiste em isolar o local.

“Não tem muito o que fazer nessas situações. O gerenciamento de risco é: manter distância. Você tem que isolar a área. A única gestão de risco que é feita é isolar a área. Infelizmente ali as embarcações estavam muito próximas e o desabamento aconteceu nesse mesmo momento”, explicou Melo.

O geólogo Fábio Braz, da Sociedade Brasileira de Geologia, relacionou o desprendimento das rochas às chuvas – intensas e por um longo período – e classificou o acidente como “raro”:

“Fica cada vez mais evidente que realmente as fortes chuvas contribuíram para a queda desse bloco. Esse fraturamento vertical é típico de regiões de cânion. A gente também observa nos cânions do Rio São Francisco o mesmo tipo de feição”, explicou.

“É um fenômeno raro. Não descaracteriza o apelo turístico da região de Capitólio. É preciso, sim, que sejam tomadas, a partir dessa tragédia, as precauções necessárias, as distâncias, que seja calculado por especialistas na área de geotecnia qual a distância segura desses paredões”, disse Braz.

Passageiros tentaram avisar

Um segundo vídeo mostra passageiros de uma das lanchas tentando avisar sobre o deslizamento da pedra segundos antes de ela cair:

Passageiros de lancha tentam avisar sobre desabamento de cânion em Capitólio, MG

Passageiros de lancha tentam avisar sobre desabamento de cânion em Capitólio, MG

Governador lamenta acidente

O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), lamentou o acidente na rede social Twitter:

“Sofremos hoje a dor de uma tragédia em nosso Estado, devido às fortes chuvas, que provocaram o desprendimento de um paredão de pedras no lago de Furnas, em Capitólio. O Governo de Minas está presente desde os primeiros momentos através da Defesa Civil e Corpo de Bombeiros”, escreveu Zema.

“Os trabalhos de resgate ainda estão em andamento. Solidarizo com as famílias neste difícil momento. Seguiremos atuando para fornecer o apoio e amparo necessários”, completou.

Marinha vai apurar causas

Por meio de nota, a Marinha do Brasil informou que um inquérito será instaurado para apurar causas, circunstâncias do acidente.

Veja vídeo:

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui