BRF adota ações de bem-estar animal

Nas granjas de produtores integrados da BRF diferentes estratégias para conferir um ambiente
mais agradável a aves e suínos ganham espaço constantemente. A Companhia tem atuado
para transformar positivamente toda a sua cadeia de produção com inovação, e conta com
diversos compromissos públicos relacionados ao tema e metas específicas para avançar cada
vez mais em seus processos, além de parcerias e normas internacionais.

Garantir o bem-estar animal passa por disseminar conhecimento aos colaboradores, que, por
sua vez, os repassam aos produtores integrados e os orientam – especialmente no caso dos
extensionistas que estão a campo. Em 2021, a Companhia já formou 208 novos oficiais de
Bem-Estar Animal (BEA). Entre 2019 e 2020, outros 569 já haviam sido capacitados em BEA.
Eles são responsáveis, posteriormente, por aplicar a matriz de conformidade e treinar todos os
colaboradores, parceiros e integrados.

“Também criamos um EAD (Ensino à Distância) sobre BEA e o Programa Bem-Estar Animal
feito na BRF. O reflexo no campo é o aprimoramento da produção com foco no conforto
animal, o que também passa pela adoção de novas tecnologias e ferramentas de trabalho”,
explica Mariana Modesto, diretora de Sustentabilidade da BRF.

No final de 2020, a BRF anunciou uma série de metas e compromissos públicos pelo Bem-estar
Animal, que visa garantir melhor qualidade de vida das aves e suínos que fazem parte de sua
cadeia produtiva. Anteriormente, de forma pioneira, assumiu publicamente a aquisição de
ovos somente de galinhas cage-free (galinhas criadas livres de gaiolas) para uso como
ingrediente em seus processos industriais e a transição do sistema de alojamento coletivo para
matrizes suínas.

“As ações de bem-estar animal da BRF estão alinhadas com as melhores práticas globais e
inseridas no Sistema de Excelência Operacional (SEO) no pilar de Sustentabilidade da
Companhia. Também adotamos padrões de certificações renomadas, como Global G.A.P. e
Certified Humane, que são aplicadas à criação e ao abate de animais”, conta Mariana
Modesto.

A BRF também participa ativamente de discussões sobre BEA dentro das entidades setoriais,
como a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e o International Poultry Council, das
quais a Companhia é membro, além de participar do grupo 3Ts Alliance com a World Animal
Protection.

Chips e tatuagem substituem cortes na orelha de suínos
Na área de suínos, a BRF acabou com os pequenos cortes nas orelhas dos suínos (mossa),
antes utilizados na identificação dos animais. O procedimento foi substituído por brincos de
identificação com chips – que revelam toda a história do suíno, como já é adotado no
segmento de pecuária bovina – e por tatuagens, cumprindo o compromisso fixado pela
Companhia no final de 2020 em atingir a meta em dezembro deste ano. O brinco também
facilita o processo de alimentação dos animais no caso de abastecimento de rações de forma
mecanizada.

“Também não há mais intervenções nos dentes, como corte ou desgaste, o que no passado era
feito para evitar ferimentos causados por brigas entre os próprios animais. Atualmente o
procedimento de desgaste é realizado somente em casos extremos onde o bem-estar da
fêmea está afetado por machucadura dos tetos”, explica Josiane Busatta, Gerente de Bem-
estar Animal da BRF.
Edilson Caldas, Gerente Executivo Produção Animal Suínos, acrescenta que a BRF busca estar à
frente na execução dos compromissos públicos. “Na área de suínos o bem-estar animal faz
parte da nossa rotina. Acreditamos fortemente na conexão entre bem-estar animal e uma boa
produtividade. Cuidar da saúde e bem-estar dos animais também faz parte da nossa missão”,
ressalta o executivo.

Leia mais:

Santa Catarina tem 73 municípios em situação de emergência

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui