Com duas derrotas, handebol ainda tem chances de classificação

O desafio era enorme, e o Brasil até teve bons momentos. Mas vencer a França, presente no pódio nas últimas três edições olímpicas, exige uma combinação quase perfeita: marcação encaixada e eficiência ofensiva. Não aconteceu até porque o time europeu jogou bem. A seleção brasileira, então, perdeu por 34 a 29, na noite deste domingo (manhã de segunda-feira no Japão), na segunda rodada do Grupo A do handebol masculino de Tóquio 2020.

+ Olimpíadas 2020: lance a lance de França x Brasil

Goleiro searaense Rangel da Rosa em ação pela Seleção

Com o resultado, a seleção nacional, que tem entre os destaques o goleiro searaense Rangel, soma duas derrotas em dois jogos – foi superada pela Noruega na estreia. Ainda há chance de classificação para as quartas de final. Nos dois grupos de seis do torneio, os quatro primeiros avançam. Há confrontos ainda com Espanha, Argentina e Alemanha, a começar pelos espanhóis na quarta-feira às 7h30 (de Brasília).

Brasil teve dificuldades na marcação diante da França — Foto: Reuters

A França deu mais um passo em um caminho que parece ter destino previsível: aumentar a coleção de conquistas. Na estreia, ganhou da Argentina e, com a nova vitória, encaminhou a classificação para a próxima fase. Os franceses são donos de seis títulos mundiais e estiveram nas últimas três finais olímpicas (ouro em Pequim 2008 e Londres 2012; prata na Rio 2016).

O Jogo

O Brasil não começou bem a partida. Diante de um rival mais qualificado, abusou dos erros de passes no ataque (cinco) e das exclusões por dois minutos (três) no primeiro tempo. O problema é que esses números se concentraram nos movimentos iniciais do duelo tanto que o primeiro gol brasileiro saiu apenas com 3min30, com Chiuffa. A dificuldade na marcação era tanta que a desvantagem no placar chegou a ser de cinco gols mesmo que Ferrugem tenha feito ótimas defesas. Os franceses erraram pouco (eficiência de 76%) até que a marcação brasileira encaixou. Ao conseguir interceptar três ataques consecutivos do rival, o Brasil encostou no placar: 12 a 11. Durou pouco. Com dois tiros dos 7m, a França foi para o intervalo com vantagem de 16 a 13.

No segundo tempo, a França começou decidida a resolver a parada. Marcando bem e atacando em velocidade, fez três gols seguidos. Manteve a produção e chegou a abrir vantagem de sete gols. O Brasil não se encontrou e continuou com uma marca negativa na competição: os erros nos tiros de 7m. Nesta noite, errou dois e converteu três. Contra a Noruega, havia errado as três tentativas. No fim, vitória francesa por 34 a 29.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui