Na volta às competições, Inter perde na Copa Sul-Americana

O reencontro do Inter com o futebol teve quase todos os mesmos elementos de antes da parada. O time teve uma atuação de posse de bola, controle, algumas chances, vantagem e, em um apagão, permitiu a virada. Na Arena Barueri, perdeu por 2 a 1 para o Belgrano, pela sexta rodada da Copa Sul-Americana (Borré marcou o gol). Com o resultado, não tem mais chances de ser primeiro do grupo. E terá de somar ao menos quatro pontos nos dois jogos atrasados para chegar ao playoff contra algum terceiro colocado da Libertadores.

Inter emocionou seus torcedores e prestou homenagem e memória às vítimas da enchente. O time entrou com os uniformes “embarrados”, lembrando a lama que tomou conta do Estado pela enxurrada.

Em campo, Coudet mandou uma equipe ultraofensiva, ao menos na escalação. A defesa teve Bustos, Vitão, Robert Renan e Renê, com Fernando à frente deles. A partir daí, todo mundo é um, pelo menos um pouco, atacante: Alan Patrick centralizado, Wesley na esquerda, Mauricio na direita, mais Valencia e Borré na frente.

A partida começou estudada, com poucas investidas de parte a parte. O Belgrano arriscou de fora da área, em chute que Rochet pegou sem problemas. O Inter respondeu em duas jogadas pela esquerda, uma de Valencia, outra de Wesley, mas sem conclusões perigosas. 

Depois de se assentar no jogo, o time de Coudet passou a controlar as ações. Com a posse de bola, girava de um lado para o outro, procurando espaços. E a cada perda, recuperava em poucos segundos. Faltava, porém, a finalização. Ela veio aos 27 minutos. Mauricio, em uma recuperação de bola, arriscou da entrada da área. Losada saltou para espalmar.

Inter encarou o Belgrano em Barueri pela Copa Sul-Americana.

Inter encarou o Belgrano em Barueri pela Copa Sul-Americana.

Miguel Schincariol / AFP

Colorado entrou em campo com uniforme "embarrado" para homenagear RS e angariar doações.

Colorado entrou em campo com uniforme “embarrado” para homenagear RS e angariar doações.

Miguel Schincariol / AFP

No fim do primeiro tempo, Chavarría marcaria novamente, de cabeça, virando o jogo para os argentinos.

No fim do primeiro tempo, Chavarría marcaria novamente, de cabeça, virando o jogo para os argentinos.

Miguel Schincariol / AFP

Tamanha pressão, tamanho domínio, tamanha força tinham de dar resultado. Aos 39, Wesley foi lançado e pela enésima vez deixou Barinaga para trás e deu um passe de três dedos, na medida, para Borré completar: 1 a 0.

O segundo saiu aos 42, mas foi anulado. Wesley novamente correu pela esquerda e cruzou para Valencia, que não conseguiu completar. No rebote, fez de calcanhar. Mas Wesley estava impedido na origem do lance.

Mas quase no final do primeiro tempo, o Inter deu um presente ao Belgrano. Aos 44, Renê errou um passe na entrada da área, no pé de Chavarría, que serviu Reyna. O peruano chutou, Robert Renan salvou em cima da linha, mas no rebote Chavarría empatou.

E, por incrível que pareça, os argentinos viraram. Em uma jogada pelo lado esquerdo, Reyna cruzou e Chavarría estava sozinho para cabecear e superar Rochet, que viu a bola bater em seu braço e ainda passar por entre suas pernas: 2 a 1 no intervalo.

Segundo tempo

O panorama do início da segunda etapa foi idêntico aos 42 primeiros minutos de jogo. Com controle de bola, girando de um lado para o outro, o Inter dominava as ações. Mas não achava espaço para concluir.

Metade do segundo tempo se passou sem que o time criasse uma chance clara. Assim, Coudet mexeu no time: tirou Robert Renan e Mauricio, colocou Aránguiz e Gustavo Prado. Fernando foi para a zaga. 

Aos 24, veio a primeira conclusão perigosa. Alan Patrick cobrou uma falta por cima da barreira, a bola passou raspando a trave. Quatro minutos depois, um susto. Suárez entrou na área, foi finalizar, errou em bola e chutou o chão. Alexis Herrera marcou pênalti. Ao ser chamado no vídeo, porém, voltou atrás.

O problema é que o Inter pareceu sentir a parada. Não havia mais criação, e o Belgrano se impôs fisicamente. Diminuiu o ritmo da partida. 

Coudet mexeu mais uma vez, colocando Bruno Henrique no lugar de Bustos. No final, foi para o tudo ou nada com Alario no lugar de Fernando. Mas, mesmo com todos os atacantes, não conseguiu buscar o empate.

COPA SUL-AMERICANA — 6ª RODADA — 28/5/2024

INTER (1)
Rochet; Bustos (Bruno Henrique, 35’/2ºT), Vitão, Robert Renan (Aránguiz, 23’/2ºT) e Renê; Fernando (Alario, 44’/2ºT), Alan Patrick, Mauricio (Gustavo Prado, 23’/3ºT) e Wesley; Borré e Valencia. Técnico: Eduardo Coudet.

BELGRANO (2)
Losada; Barinaga (Rolón, int.), Matías Moreno, Alejandro Rebola, Agustín Baldi (Delgado, 8’/2ºT); Quignon, Heredia, Juan Velázquez; Metilli (Lencioni, 25’/2ºT), Pablo Chavarría (Suárez, 25’/2ºT) e Bryan Reyna. Técnico: Juan Cruz Real.

GOLS: Borré, aos 39; Chavarría, aos 44 e aos 47 minutos do 1º tempo;
CARTÕES AMARELOS: Baldi, Velázquez, Rebola (B);
LOCAL: Arena Barueri, Barueri-SP;
PÚBLICO: 4.238 (3.137 pagantes);
RENDA: R$ 160.860;
ARBITRAGEM: Alexis Herrera, auxiliado por Lubin Torrealba e Alberto Ponte (trio da Venezuela). VAR: Fernando Vejar (Chile).

PRÓXIMO JOGO
BRASILEIRÃO — 7ª RODADA
1º/6/2024 — 18H30MIN
ARENA PANTANAL
CUIABÁ X INTER

Gaúcha/ZH

Tamanha

- Publicidade -
spot_img

Mais lidas

×