SC é o Estado que menos recebeu Auxílio Emergencial no país

Segundo dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (23), Santa Catarina segue sendo o estado com o menor percentual de recebimento do auxílio emergencial, pago pelo governo federal. A participação cresceu de 20,9% para 23,8% dos domicílios entre maio e junho, mas ainda é o menor do país. 

Em segundo lugar está o Rio Grande do Sul, com 27,7% dos domicílios. Na sequência, aparecem o Distrito Federal (32,8%), São Paulo (33,4%), e Rio de Janeiro (35,4%). 

Na outra ponta, o Maranhão lidera com 66,5%, o estado com maior recebimento percentual do auxílio. Em seguida estão Pará (63,7%), Amapá (63,7%), Amazonas (61,8%), e Piauí (60,8%). A média brasileira foi de 43%. 

Os cinco menores (em % de domicílios):

SC: 23,8%
RS: 27,7%
DF: 32,8%
SP: 33,4%
RJ: 35,4%

Os cinco maiores (em % de domicílios):

MA: 66,5%
PA: 63,7%
AP: 63,7%
AM: 61,8%
PI: 60,8%

Média nacional: 43%

Desocupação

A pesquisa do IBGE também mediu o nível de desocupação durante a pandemia. Santa Catarina também tem o menor valor, com 8,6%. Em seguida estão Piauí (9,1%), Rondônia (9,1%), e Sergipe (9,4%). 

Os piores resultados foram registrados no Amapá (17,6%), Alagoas (15,3%), Amazonas (15,1%), e na Bahia (14,9%). A média de desocupação nacional em junho ficou em 13,1%. 

Os cinco menores (em % de desocupados):

SC: 8,6%

PI: 9,1%

RO: 9,1%

SE: 9,4%

RS: 9,7%

Os cinco maiores (em % de desocupados):

AP: 17,6%

AL: 15,3%

AM: 15,1%

BA: 14,9%

AC: 14,2%

Média nacional: 13,1%

Taxa de desocupação nacional


Reprodução/IBGE

Os dados mostram ainda que, no país, 17,8 milhões de pessoas não procuraram trabalho durante a pandemia, seja por causa da doença ou por falta de vagas.

Além disso, caiu também a remuneração de quem trabalha. A pesquisa aponta que 69% das pessoas seguiram trabalhando com a mesma carga horária e 27,3% tiveram redução da jornada. Apesar do percentual, o índice de quem perdeu renda é de 35,9%.

Queda no isolamento social também foi registrada

O IBGE também registrou a queda no isolamento social. Segundo o estudo, 10,3 milhões de brasileiros estavam afastados do trabalho devido à pandemia na última semana de junho. Esse volume era de 16,5 milhões de brasileiros na primeira semana de maio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui