Pai e filha de Arabutã têm pena confirmada pelo Tribunal

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve as condenações de pai e filha, pelos crimes de tráfico de drogas e associação ao tráfico que aconteceram em Arabutã. A informação foi divulgada na quarta-feira (5).

Segundo o TJ, o pai também foi sentenciado pelo porte ilegal de arma, pela prática do jogo de bicho e, assim, teve a pena estabelecida em 10 anos, três meses e 20 dias de reclusão, em regime fechado; além de um ano de detenção e seis meses de prisão simples. Já a filha foi sentenciada a 10 anos, três meses e 20 dias de reclusão, em regime fechado. Eles também devem pagar multa de 1.506 dias cada, no valor de 1/30 do salário mínimo.

Eles foram julgados após uma denúncia do Ministério Público, que aponta que um ex-usuário de drogas foi até uma delegacia de polícia e revelou como funcionava o tráfico de drogas no município e na região. A denúncia aponta, ainda, nomes de traficantes e de usuários, dias, locais e horários de entrega do entorpecente conhecido por cocaína. 

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a denúncia e, mediante mandados de busca e apreensão, flagrou em uma lanchonete pequenas porções de droga, um revólver calibre 32 e todos os equipamentos para o jogo do bicho.

O TJ informou que apenas o pai estava no local e foi detido em flagrante, mas a filha também foi indiciada pelos relatos dos usuários e conversas em aplicativo de mensagem. 

Ambos recorreram ao TJSC e pleitearam a absolvição pelos crimes de tráfico de drogas e associação ao tráfico e requereram a desclassificação para porte de drogas, porque informaram que são usuários. O homem também alegou que o responsável pelo jogo do bicho era o genro.  

O TJ informou que diferente do que a defesa tentou afirmar, evidências como os objetos utilizados na traficância – como balança de precisão, embalagens, ou cadernos com anotações acerca do tráfico – apontam que os indiciados são culpados.

ClicRDC

- Publicidade -
spot_img

Mais lidas

×